Nattan Carvalho Fotografia de Autor


Daniel Pradeep Singer / Songwriter - Ouça Your Soul Blog (OYS)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Soul - Samba Soul - Neo Soul - R & B - Disco - Funk - Jazz - Blues - Gospel - Hip Hop - Charme
contato: oys.blog@gmail.com

abril 30, 2013

Sul 21 » Jogador do NBA Jason Collins assume a homossexualidade

Sul 21 » Jogador do NBA Jason Collins assume a homossexualidade


Obama elogia coragem de jogador da NBA que assumiu ser gay - Notícias UJ

Obama elogia coragem de jogador da NBA que assumiu ser gay - Notícias UJ


Blues é na Raw Blues


Charme Soul + Rio Comprido (11/mai/2013) - Rio 40°


Charme Zona Sul (4/mai/2013) - Rio 40°


Black Charme (5/mai/2013) - Rio 40°


Charme & Pagode (19/mai/2013) - Rio 40°


Modern RnB and Classic Soul (25/mai/2013) - Rio 40°


abril 29, 2013

Mundo Paralelo de Joeblack - Cuidado, Pois Você Pode Não Voltar!


Simplesmente uma delicia esse "Mundo Paralelo" vol. 2 de Joeblack. Eu acabei de criar um bordão pra definir o que eu senti quando submergi em seu Mundo Paralelo, querido Joe! Quem me conhece sabe o quanto sou palhaço e imagino umas cenas típicas de revista trash em quadrinhos. Ao som das primeiras faixas já me soltei aqui e fui dançando do quarto até o banho. Imagina a cena. Não! Melhor não imaginar! De repente tive um delírio e me transportei para um legítimo Mundo Paralelo sonoro que a seguir descrevo. Eu entrava numa redação de uma certa rádio, mas era meio confuso pois parecia mais uma boate que uma rádio, e na pista tinha uma pessoa querida chamada Márcia Barros dançando loucamente. Quem conhece o universo da Black Music em Porto Alegre sabe quem é essa pessoa querida, uma grande radialista. O Dj era outro querido amigo meu, o Ricardo Pont, mais conhecido por Ric Toca Disco. Ele estava daquele jeito como o conhecemos na noite. Suuuuuuuper produzido. Entro e pergunto: Que som é esse Márcia Barros? Coloco as mãos pra cima me rendendo ao groove. Nesse momento caem mil pen drives dourados do meu bolso. He He He. Eu disse que era palhaçada! Conhecem aquela expressão gaúcha "caíram meus butiás do bolso"? Ah pois é, como diz a  minha amiga Isabel. Agora sempre que eu me entregar ao suingue de um novo som e não parar de dançar eu vou gritar: Márcia Barros, caíram meus pen drives do bolso! Pen drives dourados! Não esqueçam! Confesso que estou com dificuldades de ouvir a obra toda, pois eu viciei nas faixas 2 e 3, Highway e O Som. Não consigo passar adiante!!!!!!!!! Coloco pra repetir e repetir! Meu ouvido arranhou. To com defeito! Troquem-me! Não quero sair desse Mundo Paralelo! —Venha para luz Danieeeeeeeeeeeeeeellllll —Grita Barros.


Agora pra quem não conhece o Joe eu aviso que o cara tem estrada. Nascido em Porto Alegre, há 37 anos, nunca escondeu sua paixão pela black music. Desde cedo já preferiria discos de artistas como Barry White e Stevie Wonder a brinquedos que qualquer garoto de sua idade gostaria de ter. Ouvindo aos 4 anos os LPs do irmão mais velho, teve contado com as vertentes da Soul Pop da época, representadas pelo grupo Earth Wind and Fire, o já citado Stevie Wonder e pelo até então emergente megastar Michael Jackson e sua pérola Off the Wall. Desde então, contaminado pelo poder do ritmo e das melodias negras, Joeblack começou a vislumbrar uma carreira musical. Com o passar dos anos, já na faculdade de comunicação social, onde se formou em Publicidade e Propaganda, Joeblack fez parte de uma banda de soul music montada pelos seus colegas chamada The Hard Working Band, como um dos vocalistas. O grupo fez muito sucesso no Rio Grande do Sul, gravando 3 discos em 7 anos. Depois desse começo bem sucedido na música, Joeblack partiu rumo ao centro do país para tentar mostrar seu trabalho enquanto produtor, que consiste numa mescla de R&B, Soul e Hip Hop

Influenciado por Quincy Jones, Babyface e Teddy Riley, o cantor/produtor começou em 2005 a produzir músicas para diversos nomes que começavam a despontar no cenário do Hip Hop em São Paulo. Apesar de ter lançado em 2003 um EP com 5 faixas, Joeblack decidiu dar um tempo no seu trabalho enquanto cantor e resolveu concentrar-se na produção de outros artistas como Quelynah, WX, Rodrigo Moratto, Negra Li, Goobie. Ele também assinou remixes para o projeto Limão (do site Limão), para a cantora Cindy e o Grupo Antônia. Em 2011, lançou despretensiosamente o projeto Mundo Paralelo vol. 1, que homenageia a música negra da década de 80. Suas músicas “Delorean”, “Agora Vai” e “Voltar” com participação da cantora Angel B, chamaram a atenção da cena dos dançarinos de São Paulo, tornando o EP bem conhecido no meio. Essas músicas também conseguiram atingir um público internacional, uma vez que o projeto fez parte de diversas edições do programa em formato de podcast “Soul Unsigned” do DJ londrino Phil Driver. Como produtor Joe pretende contribuir com que sua sonoridade construa uma cena de R&B forte aqui no Brasil e competitiva no mercado internacional. Atualmente faz parte do grupo de produção WeAreTheHit, junto com os também produtores Riztocrat (Sevenlox) e Victo PLG Reis.

O volume 2 do seu projeto Mundo Paralelo conta com participações especiais de Momo King aka Tonho CroccoJuliano Barreto e Sevenlox. Esta disponível pra download gratuito. É só baixar e se jogar em seu Mundo Paralelo. Você volta se quiser ou não! Ou se o som de Joe permitir!


Black Hits (4/mai/2013) - POA


Desabafo ao Brasil: Por Que me Traiu?

Fazer ou não "fazer" eis a questão?
No Brasil...
Quem não faz "esquema"...não faz nada!
Quem faz o mínimo é desencorajado...
Quem faz o máximo é exilado
Quem contesta é ativista
Quem segue a lei "complica"
Quem "facilita" enriquece
Quem trabalha cai na fornalha
O que sobra?
Nem lodo de mangue tem pra se atolar
Se tem é poluído!
Ah Brasil! Por que me traiu?
Me deixas com sede... preciso desabafar na rede!
O que será da nação? De mim não terás Perdão!

Hoje senti saudades dele - o gênio Cazuza. Esse cantor e compositor carioca que tinha alma Blues e Rock in Roll. Aliás, os melhores Blues que surgiram no mercado da música Pop brasileira, nos anos 80, são de Cazuza. Depois de escrever esse desabafo que não é poesia e nem música é, apenas um desabafo, eu lembrei de suas canções. Ele não faz parte das minhas maiores influências musicais, mas já faz um tempo que recebi o apelido de Cazuza pelo fato de que tenho a língua um pouco solta, o que lembra um pouco a língua preza do Cazuza. Certa vez fiquei sabendo até que ele foi recusado a gravar uma locução por causa disso. Enfim, jamais me compararia a Cazuza por que ele é um ícone, mas me identifico com suas letras. Em especial estas duas abaixo. E retorno a sentir a angústia que eu sentia nos anos 80. Mesmo sendo criança eu me lembro do movimento Diretas Já e o quanto aquele momento foi marcante. Mas nada aprendemos com a conquista. Votamos mal desde aquela época! Em quem votamos eu atribuo a culpa do Brasil estar despencando. Ou a culpa é nossa? Conseguiremos dormir a noite com tranquilidade? Assim como imaginamos que assassinos e ladrões não dormem noite de forma tranquilo, eu pergunto se quem vota mal também dorme? Todos nós votamos mal! Como poderemos aprender novamente a confiar e ter esperanças???



abril 28, 2013

Hot Floor RnB Radio


Black Party Em Alto Mar (15/set/2013) - Rio 40°


Eu Amo Baile Charme (1/mai/2013) - Rio 40°


Soul Train é na Web Rádio Soul Black FM


Bossa Black Toda Quinta-Feira às 20 h no Clube da Black Music


Labirintos Do Pensamento: Iniciação Ao Mundo Das Reflexões Vivas.

Labirintos Do Pensamento: Iniciação Ao Mundo Das Reflexões Vivas.: Aqui temos a chance de nos confrontar com frases de efeito e pensamentos de vários nomes da história que certamente podem nos introduzir par...

Mundo numa nota só: Um campo de concentração.

Mundo numa nota só: Um campo de concentração.: "O trabalho liberta". A inscrição, com tinta gasta, nas grades de ferro do portão de entrada de Dachau causam arrepios. E não é...

Pascoal Online - Notícia e Opinião - Raul Soares: Barack Obama: Um aviso aos evangélicos

Pascoal Online - Notícia e Opinião - Raul Soares: Barack Obama: Um aviso aos evangélicos: Seja você cristão ou não, o que você acha deste pronunciamento sobre o comportamento evangélico feito pelo Presidente dos Estados Unidos Bar...


blog da AÇÃO CULTURAL: MPB – A História que o Brasil Não Conhece

blog da AÇÃO CULTURAL: MPB – A História que o Brasil Não Conhece: Fonte:  http://www.cenasdecinema.com/mpb-a-historia-que-o-brasil-nao-conhece/ Por Cecilia Barroso | 26/10/2011/ às 4:38  ...

abril 27, 2013

R&B Set - Music Experience: Elemento Soul & Ellen Oléria... Swing, Soul, Funk ...

R&B Set - Music Experience: Elemento Soul & Ellen Oléria... Swing, Soul, Funk ...: Na última quinta, 25/04, aconteceu em São Paulo, numa das casas mais sofisticadas da Cidade, o  Bourbon Street , um show peculiar, que reu...

Quinta Black (30/abr/2013) - Rio 40°


Roda de Samba Esquenta Todas as Sextas - POA


Flash Back Charme (4/mai/2013) - Rio 40°


Black Beans (19/mai/2013) com Presença de Nina Black - Rio 40°





Web Rádio Soul Black FM


Noite do Flash Back - Rio 40°


Web Blog Radio Dynamite Funk Sounds


Sintonia do Charme todas as Sextas-Feiras - Rio 40°


Confraria do Charme (1/mai/2013) - POA


New Night People (18/mai/2013) - BH Uai!


Acesse dance100parar.com e Dance Sem Parar!


Oficinas Arena carioca Dicró 2013 - Rio 40°


Baile Princesinha do Charme nas Segundas-Feiras - Rio 40°


Clube do Charme (11/mai/2013) - POA


Charme Pan aos sábados às 27 horas


abril 26, 2013

Soulful Black Women no Rio Grande do Sul (Brasil) - TOP 10: A Diva Soul Andréa Cavalheiro

Daniel Pradeep

No dia Internacional da Mulher 8/Março/2013 eu comecei a minha homenagem às cantoras negras. Primeiramente publiquei minha lista das TOP 10 internacionais no artigo Soulful Black Women In The Music (USA), são elas: 1. Tina Turner, 2. Whitney Houston, 3. Diana Ross, 4. Beyoncé, 5. Donna Summer, 6. Areta Franklin, 7. Toni Braxton, 8. Patti LaBelle, 9. Chaka Khan e 10. Dionne Warnick. Depois chegou a vez das cantoras brasileiras, Soulful Black Women na Música Brasileira - TOP 10: 1. Eliseth Cardoso, 2. Elza Soares, 3. Alcione, 4. Sandra de Sá, 5. Margareth Meneses, 6. Lady Zu, 7. Zezé Motta, 8. Negra Li, 9. Preta Gil e 10. Paula Lima.

Também iniciei uma série de homenagens às cantoras negras gaúchas. A primeira matéria trouxe um pouco da história da doce voz de Ana Lonardi (Soulful Black Women no Rio Grande do Sul (Brasil) - TOP 10: Doce Voz de Ana Lonardi).  Muitas ainda virão, como LomaZilá Machado, LetíciaMarietti Fialho e Valéria Houston, entre outras, umas mais Soul, outras Reggae, outras Samba, mas todas Blacks.

Agora é vez de Andréa Cavalheiro. Ela não sabe disso, mas a primeira vez que eu a vi cantar, não lembro ao certo, eu deveria ter uns 23 ou 24 anos. Eu estudava na UNISINOSThe Hard Working Band fez um show no Campus. Quando a banda começou a tocar eu fiquei louco por que era o tipo de som que eu adorava ouvir e pensei: - um dia eu quero ser como esses caras! Foi quando eu ouvi Andréa Cavalheiro, nossa Diva Soul, pela primeira vez! Lembro me bem de todos, mas foi sua voz e sua simpatia no palco, também a de Letícia e de Joe, que me envolveram mais, sem desmerecer todos os outros.

É com a Diva Cavalheiro, que eu comemoro hoje três meses do blog OUÇA YOUR SOUL (OYS), relembrando os primórdios de minha paixão pela música e pelo Soul. Infelizmente ou não, eu segui a carreira acadêmica e deixei a música de lado, até que em 2012 eu gravei meu primeiro trabalho solo. Mas isso não é foco agora, eu quero homenageá-la aqui por que sou seu fã e também por fazer parte da minha memória afetiva musical. Graças aquele momento na UNISINOS eu percebi que não estava sozinho e tinha mais gente aqui no Sul que amava a música norte-americana, já que vivia enorme conflito por não me identificar com a MPB, que era a paixão da maior parte dos meus amigos na época.
Andréa Braz Cavalheiro começou a cantar com 11 anos de idade. Não foi por opção, mas sim por que foi obrigada pela sua escola a fazer pelo menos um ano de aulas de canto. Eu pergunto que escola é essa? Deveríamos homenageá-la pela sua contribuição à música no Brasil, pois nos revelaram uma das maiores cantoras do sul do país. Na época, o Projeto Prelúdio, escola de música ligada a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tinha um ensino direcionado ao erudito, com foco no violão clássico e na teoria musical. Com a revisão curricular, tornou-se obrigatório o ensino de canto coral. Foi um momento crucial para Andréa, que, imaginem, não gostava de cantar. Como iniciante, Andréa fazia aulas pela tarde e após um mês sua professora, a mesma que regia o coral da UFRGS, disse-lhe que aprendia muito rápido - mocinha está na hora de integrar o time de cantores do coral. Andréa ficou surpresa, pois isso só acontecia após aproximadamente dois anos de preparação, quando os coralistas representavam a Universidade em festivais. Mas o seu caminho foi bem mais curto e também, mais curto a sua resistência, pois a música havia lhe conquistada. Como diz Andréa: “fui devorada, única e completa pelo canto!!!!”



Até os 18 anos, a jovem cantou no Projeto Prelúdio e já com esta idade, sua voz tapava todo o naipe possível de coro. Ela cantava com as crianças, mas já tardava o momento de integrar o coro adulto, pois seu timbre não era mais o de uma garotinha. A partir daí, ingressou no Coro Adulto da Universidade. Depois seguiu no Coro 25 de Julho, Decálogo e Iatus. Além da trajetória como coralista, Andréa ainda contou com importantes preparadores vocais em sua formação, como Gisa Volkman, Rosana de Oliveira, Ida Weisfeld e Luciane Bottona. Mas toda essa preparação foi só um trampolim para algo especial que estava por vir. Surgiu um convite que foi determinante em sua carreira! Cavalheiro foi convidada para atuar no time de vocalistas da The Hard Working Band


Nessa fase Andréa encontrou a realização pessoal com o inicio de uma carreira artística mais sólida, mas também teve que esconder do seu pai, que era vivo na época, a sua atuação como vocalista em uma banda. A maioria dos pais tem uma preocupação padrão com o ingresso dos filhos no universo da música e seus respectivos riscos. Cantar na noite e não ter um salário fixo são os riscos mais temidos. Mas isso não impediu Andréa de continuar e atender toda a demanda da banda, que despontou e marcou história no cenário Soul do Sul do Brasil. Hoje, com 17 anos de estrada, The Hard Working Band segue com Cavalheiro, gravou três discos e ganhou vários prêmios. Andréa se tornou uma figura icônica no cenário Soul do Rio Grande do Sul. Sua voz potente faz jus ao seu posto de Diva Soul e não perde para muitas cantoras americanas.

Entretanto, nem tudo foi glória! De acordo com Cavalheiro, "a banda era composta por integrantes muitos jovens que se arriscavam, brigavam, aprendiam a estabelecer metas, viver em grupo, a ganhar e também perder dinheiro, a rir e chorar por nada e por tudo, a vencer os obstáculos mais importantes que eram as suas famílias, que no seu caso, hora acreditando e hora desacreditando, segue com as preocupações, pois sua irmã, que também estudou no Prelúdio, fez vestibular para a faculdade de música e passou!"


Atualmente a guerreira Andréa Cavalheiro (38 anos) só trabalha com música, eventos, shows, jingles, colaborando em gravações com diversos artistas de renome, o que, segundo ela: "gosto muito de fazer, por que aprendo muito com outras pessoas, outros estilos musicais, cantando em lugares com pouca gente, com muita gente, ganhando nada muitas vezes, e outras ganhando muito bem".

Ela ainda relata: "na verdade não posso reclamar, por que a vida me foi muito generosa comigo, presenteando-me com companheiros musicais de bom caráter e excelentes músicos  fazendo com que hoje eu seja reconhecida na maioria dos lugares em que canto, com respeito e carinho" 

Hoje Andréa se prepara para gravar seu primeiro trabalho solo. O CD será produzido pelo reconhecido Max Viana, filho de Djavan, que além de produtor é cantor, compositor e guitarrista. A nossa querida Diva Soul, assim como todos demais artistas independentes deverá obter a verba necessária para viabilizar esta sofisticada produção, que com certeza contará com o melhor time de músicos e compositores do país. Portanto, faço um apelo particular a todos os fãs de Andréa que contribuam para esta produção através do site vaquinha. Desejo todo sucesso a Andréa Cavalheiro e que seu CD sirva para lhe consagrar ainda mais como cantora por esse Brasil a fora!

abril 25, 2013

R&B de Safra Nobre: Clawdia Ejara Lança o CD "Amanhecer"


Eu fico tão feliz quando recebo um material de qualidade para publicar no blog. Além de sempre estar atento às novas musicalidades, eu me delicio quando encontro um material gráfico de primeira, em nível de mercado internacional. Todo artista, queira ou não, é um produto cultural. Você não acha? Eu penso assim! Quando produzo meu material não me preocupo apenas com o lado criativo, mas sim como toda produção executiva e fico atento a todos detalhes! Percebo de cara que o trabalho da Clawdia Ejara teve uma dedicação impecável em todos aspectos da produção.

Nunca esqueço que certa vez Patti LaBelle se referiu carinhosamente a Ray Charles comparando-o a uma garrafa de vinho de uma safra muito especial, a qual você olha o rótulo, vê a data, abre a garrafa, sente o aroma e, logo depois suspira ao primeiro gole. Que venham mais safras de vinho sonoro no estilo Clawdia Ejara, que teve seu tempo de maturação adequado para propiciar aquele momento de degustação único aos ouvidos dos amantes do R&B.




Desde 1996 Clawdia estuda música e canta, porém nunca pensou em fazer carreira. Passou por alguns corais da cidade São Paulo onde aprimorou mais sua técnica e musicalidade. Entre 2004 e 2010 gravou algumas demos caseiras por insistência de seu marido Frank Ejara, que produziu algumas músicas para ela sem pretensão. Em 2011, Frank, por provocação, mostrou essas demos caseiras para o produtor Joeblack, que de imediato ficou interessado em trabalhar com Clawdia e propôs fazer algumas músicas sem compromisso. Em outubro do mesmo ano entraram em estúdio e gravaram a música "Diga". Na sequência vieram as músicas "Tudo Será" e "Amanhecer", que ajudaram a consolidar a idéia de gravar um álbum completo. Assim nasceu o projeto "Amanhecer".




"AMANHECER" - O CDClawdia Ejara chega com um disco de estréia forte e ao mesmo tempo cheio de melodias e arranjos sutis. As canções no estilo R&B têm influências do Soul, Pop, Hip Hop e Reggae. Os temas das músicas variam entre mensagens positivas, amores não correspondidos e relacionamentos harmoniosos com uma base musical extremamente dançante. Joeblack assina a produção de sete faixas do disco e dirige os arranjos vocais de todo o trabalho. O produtor deu o tom do disco, mostrando nos arranjos e produções sua vertente para música de pista. "Amanhecer" chega como um disco "universal" em que o intercâmbio de idéias e artistas é a palavra de ordem. O álbum conta com faixas de Legend Beatslaya dos Estados Unidos, Nicky Lars & Buddy Sativa e Aaron Evo da França. Frank Ejara produz 2 faixas. O CD ainda tem o remix da faixa "Diga" produzida pelo DJ Som 3 e a versão remix "setentista" da banda Funk Como Le Gusta para a faixa "Eu Vou Invadir". O CD foi masterizado em Los Angeles por uma lenda do mundo da música, BrianBig BassGardner, que entre outros masterizou discos de Michael Jackson, Stevie Wonder, Janet Jackson, Eminen, Dr. Dre, Mary J. Blige, Beastie Boys, Blackstreet, En Vogue, The Black Eyed Peas, Toni Braxton, Brandy, Christina Aguilera, Destiny's Child, Jay Z, Mariah Carey, Nelly Furtado, Queen Latifah, Outkast e Pitty, apenas pra citar alguns. Clawdia Ejara vem com um disco forte, com melodias marcantes, com a missão de mostrar um R&B Nacional capaz de agradar ao grande publico.





O show de lançamento será na quinta-feira dia 9 de maio de 2013 (ver flyer de divulgação do espetáculo), na consagrada casa de espetáculos Diquinta, na cidade de São Paulo. Infelizmente não estarei lá, mas vou torcer aqui de Porto Alegre desejando grande sucesso a Clawdia e todo seu time musical.


abril 21, 2013

Clawdia Ejara Lança Novo CD no Diquinta (9/mai/2013) - SAMPA







Show da Elemento Soul (25/abr/2013) - SAMPA





Todas Quartas-Feiras no Rex Bar tem Jazzy Beats - POA


10 anos sem Nina Simone: Saudades Blues...

Em 21 de fevereiro de 1933 nasceu Eunice Kathleen Waymon e em 21 de abril de 2003 faleceu Nina Simone, ambas norte-americanas. Epa! Não se trata de pessoas distintas, mas sim de uma única pessoa que deixou seu legado na terra como  pianista, cantora e compositora. Buscando disfarçar o início de sua carreira em cabarés de Nova Iorque e imediações, Eunice adotou o nome artístico, que a consagrou até a sua morte, para despistar os pais que atuavam como pastores metodistas. Sua luta pelos direitos da comunidade negra iniciou logo cedo, já que encontrou várias barreiras em sua trajetória como musicista. Assim como Tina Turner, também foi vítima de violência dentro do próprio casamento. Nina fez história inicialmente em casas noturnas, onde cantava grandes clássicos da Black Music, permeando estilos como o gospel, soul, blues, folk e jazz. Seu estilo único a imortalizou, tornando-a referência para diversas gerações de artistas Pop subsequentes. Hoje faz 10 anos que Nina faleceu e deixamos aqui a nossa homenagem relembrando grandes apresentações desta incrível artista.





abril 20, 2013

Soul Muito + Groove by DJ F-Soul

O Charme faz o seu estilo com a Mixtape: Soul Muito + Groove do DJ F-Soul. O R&B está de volta e bebe da fonte dos clássicos dos anos 70 e 80 para dominar novamente as pistas - o Black é Groove. O Groove faz você dançar e o DJ é quem comanda a pista. "Soul Muito + Groove" é a 1ª Mixtape do DJ F-Soul, com direção de de Marcus Azevedo. Uma seleção pioneira dedidaca ao R&B Groove atual e dos últimos 30 anos. Você vai ouvir de R. Kelly a Lucy Pearl, de Sunshine Anderson a dupla Zhané, de Musiq Soulchild ao rei do Pop Michael Jackson - tudo com mixagens mais que especiais que preservam o estilo de tocar da época e claro, contando com a marca registrada do DJ F-Soul, pois sua habilidade é inigualável. O que você está esperando? Aperte o play do seu aparelho, pode ser no celular, no media player ou até mesmo no seu System para os mais conservadores. Assista ao vídeo promocional com a participação da Dança Charme & Cia e baixe gratuitamente a Mixtape acessando o momentoneosoul.bandcamp.com. O importante é ouvir boa música. O importante é ouvir um Charminho.





Soul Muito + Groove - by
DJ F-Soul
Mixtape R&B & Neo Soul

1.Raheem DeVaughn & Wale - The Greatness 
2.Musiq Soulchild - Forthenight 
3.Zhané - Hey Mr. Dj (Remix) 
4.Leela James - I'm Loving You More Every Day 
5.El Debarge & Faith Evans - Lay With You 
6.Sunshine Anderson - Say Something 
7.Rahsaan Patterson - Where You Are 
8.Anthony Hamilton - You 
9.Raphael Saadiq & Joi - Ray Ray Theme 
10.Massive Joy - Gotta Have U 
11.Lucy Pearl - Don't Mess With My Man 
12.Musiq Soulchild & Swizz Beatz - Anything 
13.Eric Benet - Harriett Jones 
14.Jill Scott & Anthony Hamilton - So In Love 
15.R. Kelly - Feelin' Single 
16.Michael Jackson - Baby Be Mine 
17.AAries - Don't Give It Up 
18.Robin Thicke - Another Life 
19.Angis Stone - Backup Plan 
20.Luther Vandross - Never Too Much

Zambukaki: 'Do Rio São Francisco ao Pinheiros'

Zambukaki: 'Do Rio São Francisco ao Pinheiros': Povo povo Pankararu: 'Do Rio São Francisco ao Pinheiros' Com a afirmação por origens surgem grupos que se assumem sua afirmação é o...

Web Rádio Clube da Black Music - 24 Horas no Ar!

Tarde Slow (19/mai/2013) - Rio 40°


Aniversário Junior DJ (25/mai/2013) - Rio 40°


ARQUIVO DISCOs CD's DVD's: 20 de Abril - Dia do disco de vinil

ARQUIVO DISCOs CD's DVD's: 20 de Abril - Dia do disco de vinil: 20 de Abril - Dia do disco de vinil

Identidade G: Nova Zelândia é o 1º da Ásia-Pacífico e o 13º país...

Identidade G: Nova Zelândia é o 1º da Ásia-Pacífico e o 13º país...: Marly Melville - AFP Nova Zelândia, o primeiro país na região da Ásia-Pacífico a  legalizar o casamento gay . Os parlamentares neoz...

Marco Feliciano tem agenda própria, alerta igreja | Congresso em Foco

Marco Feliciano tem agenda própria, alerta igreja | Congresso em Foco

Programa Black por Markko Mendes - Hoje às 16 horas


abril 19, 2013

ACEITA e se JOGA no SWING! SEJA + FELIZ!!!!!!!!!! (20/abr/2013) - POA

Deixo minha recomendação de diversão para esta época de Felicianos Infelizes versus Danielas Mercurysoberanas. Aceita aceita tudo! Menos cheque pré-datado e ingresso fiado! Aceita aceita judeus, índios, alemães, alienígenas, negros, gays, seres da floresta, das montanhas, da sua casa, do meu mundo e do seu mundo! Aceita aceita ambém pessoas dos seus sonhos. E tem o pessoal da swingueira. Aceite a si e a todos! Aceite o quadril se soltar e a voz se rebelar. Aceite, simplesmente aceite o quanto somos ricos e únicos! Mesmo não sendo iguais! Esses Djs maravilhosos, que bem conheço, vão levar o swing da Black Music misturado com diversas outras linguagens da música POP, para a pista do Venezianos Pub Café neste sábado. Se você nunca dançou Black Music aceite!!!!!!!!!!! Jogue-se e aceite a Aceita!!!!!!!!


.

abril 18, 2013

Hoje (18/abr/2013) tem NÊGA no Beco - POA

Segundo a página do evento Nêga é uma festa sexy ghetto diva com muita black music, rap, hip hop, r&b, muita melanina e suor. Curta a página desta festa black no facebook e acompanhe a divulgação de todas as edições.


abril 16, 2013

Dia Mundial da Voz (16/abr/2013)


Soulful Black Women no Rio Grande do Sul (Brasil) - TOP 10: Doce Voz de Ana Lonardi


Daniel Pradeep

No dia Internacional da Mulher 8/Março/2013 eu comecei a minha homenagem às cantoras negras. Primeiramente publiquei minha lista das TOP 10 internacionais no artigo Soulful Black Women In The Music (USA), são elas: 1. Tina Turner, 2. Whitney Houston, 3. Diana Ross, 4. Beyoncé, 5. Donna Summer, 6. Areta Franklin, 7. Toni Braxton, 8. Patti LaBelle, 9. Chaka Khan e 10. Dionne Warnick. Depois chegou a vez das cantoras brasileiras, Soulful Black Women na Música Brasileira - TOP 10: 1. Eliseth Cardoso, 2. Elza Soares, 3. Alcione, 4. Sandra de Sá, 5. Margareth Meneses, 6. Lady Zu, 7. Zezé Motta, 8. Negra Li, 9. Preta Gil e 10. Paula Lima

Agora eu inicio uma série de textos sobre as cantoras negras do Estado do Rio Grande do Sul, onde nasci e vivo até o momento. A ideia era publicar um só texto com as 10 cantoras, mas ainda não obtive informações sobre todas, sendo assim vou sempre atualizar o artigo e republicar, adicionando mais uma artista até completar as 10 mais expressivas sob meu ponto de vista. Neste caso, eu aboli a numeração em forma ranking pelo seguinte motivo. Todas estas artistas, embora tenham trajetórias e estágios de carreira diferentes, não fazem parte da indústria da música no Brasil. Mesmo aquelas com anos de carreira, ainda estão na batalha para se manter no cenário musical nacional, ou mais restrito ao sul do Brasil, dependendo de leis de incentivos e projetos culturais, que nem sempre constituem um suporte facilmente disponível. Desta forma, eu acho injusto categorizar estas artistas, que nem sempre tem mais ou menos destaque em virtude de seus talentos, mas sim devido as dificuldades de manter uma carreira constante. Muitas dessas cantoras contribuíram e contribuem para uma sólida cultura musical em nosso Estado, muitas delas com ações políticas reafirmando a identidade negra ou sua orientação sexual, enquanto outras simplesmente fazendo uma arte inovadora ou transgressora. Dentre estas artistas citarei Loma, cuja biografia é muito rica e estou trabalhando com muito carinho em seu texto; Zilá Machado, lendária sambista; Andréa Cavalheiro, nossa Diva Soul, entre outras. Mas é com linda e talentosa Ana Lonardi que eu abro os trabalhos. Apresento um belo texto com base em informações fornecidas pela própria artista.

Ana Lonardi. A trajetória de Ana na Música começou muito cedo, primeiro como uma paixão que mais tarde se revelou como vocação e o amor de sua vida: a música. Conheceu esta arte através de sua mãe, que a ensinou a cantar quando era ainda um bebê. Sua mãe, Eliana, era cantora no Coral da UFRGS e sempre trouxe a música muito forte dentro dela. Foi a grande incentivadora na carreira de Ana, inscrevendo a menina aos cinco anos  nas aulas de piano e no coral infantil da escola, ambos dirigidos pela cantora e pianista gaúcha Simone Rasslan. Apesar do ouvido apurado e do gosto pelo canto, Ana era muito tímida e cantava bem baixinho na esperança de que alguém a ouvisse, gostasse e pedisse pra cantar mais alto. O tempo passou e, com mais maturidade, experiência e mais cultura musical, foi se identificando com sonoridades e artistas como Ella Fitzgerald e Louis Armstrong. Momento marcante foi quando ouviu a gravação clássica de “Summertime”. Isso a tocou profundamente, sendo um divisor de águas em sua vida. Passou a escutar Jazz dia e noite. Neste momento, a sua voz, que tem vontade própria, descobriu um meio autêntico de se expressar. A partir daí sua voz não era mais daquela menina que cantava baixinho e sim de uma adolescente que passa a “cantar alto”. A cultura músical de sua família contribuiu com referências importantes da música brasileira, como: Tom JobimRoberto MenescalToquinhoMaria Bethânia, entre outros. A pedido dos colegas, Ana cantou no colégio e no cursinho pré-vestibular. A timidez foi diminuindo, a voz saindo e no papel, as primeira letras foram surgindo. Um dia, num impulso, conta Ana: “Fui parabenizar um músico de Blues que estava se apresentando num pub. Falei que adorava Ella fitzgeraldBillie Holiday e Sarah Vaughan, e que gostaria muito de cantar num palco assim como ele. O músico foi tão solícito e na semana seguinte me apresentou para uma cantora que viria a ser a primeira grande apoiadora do meu trabalho: Sema Gorini”.


Aos 17 anos, ao lado de Sema, circulou por todos espaços de arte de Porto Alegre conhecendo músicos. A partir daí, Ana começou a trabalhar com artistas consagrados do cenário músical gaúcho como: Serginho Copetti, Jorge Dorfman, Michel Dorfman, Paulo Dorfman, Luke Faro e Luiz Mauro Filho. Julio Furst foi um dos grandes incentivadores da cantora, que adquiriu respeito, conquistou espaços em rádios e casas de espetáculos do RS. Um show marcante foi “As Divas”, na Casa de Cultura Mário Quintana. Nos primeiros shows não haviam figurinos, patrocínio e produtor. Mas Ana colocou a mão na massa e assumiu toda a produção com a ajuda da sua mãe e de parceiros como Ari Lopes, quem auxiliava na divulgação. Durante alguns anos, por estar cursando a faculdade de Psicologia na UFRGS, foi difícil investir na carreira musical, mas continuou estudando técnica vocal. Além disso, gravou jingles em diversas produtoras de áudio de Porto Alegre. Após sua formatura aos 23 anos, redescobriu o samba através de Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho, Cartola, Pixinguinha, Dona Ivone Lara. Foi um segundo divisor de águas na sua carreira e seu desejo por compor renasceu. Segundo Ana, “A composição, assim como o canto, é um espelho, e nos ajuda a enxergar e conhecer o que a sua alma está querendo fazer musicalmente”.  Nesse momento, ela se via engolfada pela necessidade de optar entre cantar Jazz (música americana) ou MPB


Foi paralisante para ela! Mas Ana sambou o lápis e no fim tudo fluiu. Nesse momento, Ana Lonardi se descobre cantora profissional. Através de Claudinho Pereira e Preta Pereira, Lonardi conheceu o diretor de cinema carioca Maurice Capovilla, que estava atrás de uma nova cantora para lançá-la num filme sobre Lupicínio Rodrigues. Ao ouvir a voz de Ana ao cantar acapella “Coração Vulgar” de Paulinho da Viola, o diretor não teve dúvida e a convidou para protagonizar o filme, junto a Arrigo Barnabé. O filme, ainda não lançado, foi mais uma ponte para Ana no meio artístico. Posteriormente, num show do próprio Arrigo em Porto Alegre, retomou contato com uma compositora e cantora Gisele De Santi, que se tornou referência, amiga e parceira de Ana. Através de Gisele surgiu o encontro com o produtor musical Leo Bracht. Mais uma vez a carreira de Ana se transformou, mas agora rumo ao registro eterno de sua voz: o disco que espressará a essência sonora de Ana Lonardi. Essa é Ana Lonardi! Determinada, sonhadora, gente que faz, amassa o pão, escreve a canção, samba o jazz, firula no samba, escolhe a roupa, produz o caminho que a conduz pra nunca pisar pra trás e continuar sagaz, sem medo de reprovação, conquistando todos com seu coração e com a voz que seduz, e é a própria luz que a desenha grande e soberana no palco! Ela como qualquer músico, investiu estudando, se relacionando e gastando a ponto de se cansar. Mas mesmo diante de questionamentos ou de repentinos e passageiros momentos de dúvida pra onde seguir, Ana triunfa a cada NÃO DESISTIR! O que mais dizer sobre a talentosa Cantante Lonardi? Ah, um pequeno detalhe! Ela tem como lema uma frase do grande Voltaire: “O segredo das artes é corrigir a natureza”.  Acabo por aqui. Precisa mais?


abril 12, 2013

A Nova Geração do Charme por Marcus Azevedo: O Resgate de uma Cultura no Rio 40°

A professora Liliane Rocha, junto a coordenação do Colégio Euclides da Cunha, situado na Zona Norte do Rio de Janeiro, teve a corajosa e inovadora ideia de incentivar a expressão corporal, por meio de um projeto que potencializa a arte da Dança junto aos alunos. Para tal convidou o talentoso e reconhecido coreógrafo Marcus Azevedo que dirige a Dança Charme & Cia. Marcus está desenvolvendo um trabalho sobre a Cultura Charme com os alunos da turma 901 do 9º ano. Nos encontros com o Charmeiro, os alunos entraram em contato com a história do Charme, produziram poesias e criaram coreografias. Também assistiram vídeos de bailes dos primórdios do Charme, além de videoclipes de grandes referências desta linguagem e da própria Cia. Logo após se desenvolveu um bate-papo descontraído e entusiasmado sobre os quatro elementos do Charme: música, dança, vestimenta e comportamento. Como resultado desta vivência, os alunos, agora também Charmeiros, apresentarão um espetáculo que será estreado em maio. O corpo da Dança Charme & Cia. está muito feliz com a concretização de mais uma grande iniciativa para preservação da memória deste movimento da cultura carioca, promovendo as potencialidades artísticas de jovens, que entram em contato com sua essência criativa.