Nattan Carvalho Fotografia de Autor


Daniel Pradeep Singer / Songwriter - Ouça Your Soul Blog (OYS)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Soul - Samba Soul - Neo Soul - R & B - Disco - Funk - Jazz - Blues - Gospel - Hip Hop - Charme
contato: oys.blog@gmail.com

maio 15, 2013

Zambukaki: 14 de maio na UNEB Bahia

Zambukaki: 14 de maio na UNEB Bahia: Abolição da escravatura é comemorado em 14 de maio na UNEB Campus V Daniel dos Santos, graduado em História pela Universidade do Estado...

Zambukaki: Amilcar Cabral quarenta anos depois de sua morte

Zambukaki: Amilcar Cabral quarenta anos depois de sua morte: "Amílcar Cabral foi em meu entender o mais inteligente, o mais criativo e o mais brilhante de todos os dirigentes da luta de libertação...

Zambukaki: 14 de maio na UNEB Bahia

Zambukaki: 14 de maio na UNEB Bahia: Abolição da escravatura é comemorado em 14 de maio na UNEB Campus V Daniel dos Santos, graduado em História pela Universidade do Estado...

maio 12, 2013

maio 09, 2013

Zambukaki: Imprensa britânica mostra a violência no Brasil an...

Zambukaki: Imprensa britânica mostra a violência no Brasil an...: Como explicar a violência que vivemos para um estrangeiro? Foi o que me perguntava ontem. Hoje vejo o Jornal britânico Mail Online News, fal...

Zambukaki: Polêmica em Salvador protesto do Povo de Santo

Zambukaki: Polêmica em Salvador protesto do Povo de Santo: Projeto que proíbe animais em rituais do candomblé gera polêmica no meio religioso Em protesto, representantes das religiões e matrizes afr...

Zambukaki: Novos colonizadores da África?

Zambukaki: Novos colonizadores da África?: Como ocorre uma relação de dependência? Num interessante artigo uma visão de um articulista russo. A expansão econômica da China na África ...

Amanhecer Escutando Clawdia Ejara, Eu Recomendo!



Eu tive a honra de receber este presente de Joeblack, o CD Amanhecer de Clawdia Ejara. Hoje resolvi "Amanhecer" ouvindo e escrevendo sobre o primeiro trabalho solo da cantora. Hoje também acontece o show de lançamento do CD no Diquinta, consagrada casa dos amantes da Black Music em São Paulo, na Vila Leopoldina. 

O CD é uma delicia! Com 18 faixas, conta com 16 inéditas e duas versões extras (Remix) das canções Diga, produzida pelo DJ Som 3, e Vou Invadir, versão "setentista" da banda Funk Como Le Gusta. Os arranjos no estilo Neo Soul e outras referências são resultados da produção apurada de Joeblack, dentre outros produtores, que assina a produção em dez faixas. Joe também contribui como compositor em várias faixas, ao lado de Clawdia e seu marido, Frank Ejara. Aliás a presença do maridão é marcante nas composições que dão brilho a voz de Clawdia, que além de suave e cativante é bem executada. Os vocais de fundo também são um primor. Gostaria também de destacar as Intros, dentre as quais eu particularmente adoro Caminhando I, na qual Clawdia diz: "Falo do amor, não da paixão! Não é isso que me guia! Por que se eu fosse apaixonada certamente estaria perdida! Eu sinto ter muita verdade neste trabalho que não deixa de ser também o nascimento de um belo filho do casal. O álbum também apresenta faixas com a contribuição de Legend Beatslaya dos Estados Unidos, Nicky Lars & Buddy Sativa e Aaron Evo da França. O CD foi masterizado em Los Angeles por uma lenda do mundo da música, Brian “Big Bass” Gardner, que entre outros masterizou discos de Michael JacksonStevie WonderJanet JacksonEminenDr. DreMary J. BligeBeastie BoysBlackstreetEn VogueThe Black Eyed PeasToni BraxtonBrandyChristina AguileraDestiny's ChildJay ZMariah CareyNelly FurtadoQueen LatifahOutkast e Pitty, apenas pra citar alguns. Cabe também destacar as fotos belíssimas do encarte que tem a assinatura do fotógrafo Newton Santos e, claro, da genética de Clawdia, que além de ser uma linda mulher é muito elegante.

Não esqueçam! O show de lançamento é hoje e gostaria muito de estar presente, mas fico na torcida aqui de Porto Alegre. Tenho certeza que será um grande sucesso. Aguardo de sua produção, fotos e vídeos para que eu possa publicar aqui no OYS Blog. Um brinde ao "Amanhecer" maduro e apaixonado de Clawdia Ejara. Um brinde ao criativo casal Ejara! Um brinde ao amigo Joeblack e sua luta pelo fortalecimento do R&B no Brasil



maio 05, 2013

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: THE BEST SOUL BANDS / ARTISTS OF THE ALL-TIME # 3....

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: THE BEST SOUL BANDS / ARTISTS OF THE ALL-TIME # 3....: This Series of Post's concerns in my Opinion The Best Bands/Artists of all time. I will write a Short Bio includi...

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: GREAT SOUL / FUNK RECORD LABELS # 2

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: GREAT SOUL / FUNK RECORD LABELS # 2:            SUGAR HILL RECORDS The Original Rap / Hip Hop Record Label, formed in 1979 (and Surprisingly only in Business for about 7 Y...

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: SWEET SOUL MUSIC FROM THE 70s

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: SWEET SOUL MUSIC FROM THE 70s: SOME CLASSIC DRAMATICS...(I'm going by) The Stars in Your Eyes MANHATTANS....Kiss and Say Goodbye ...

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: WHO'S THE GREATEST FUNK BASS PLAYER

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: WHO'S THE GREATEST FUNK BASS PLAYER: Over the Past Few Months I have been Featuring 10 Different Bass Players in my "Who's The Greatest Funk Bass Player" Poll, ...

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: THE JOB INTERVIEW and LUTHER VANDROSS

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: THE JOB INTERVIEW and LUTHER VANDROSS: The Time was now about Late October of 1988, I had a Job Interview with the Local County Council to Work as a Cook in an Old People&#39...

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: THE 188th MIX FOR F.S.V.B

FUNKY-SOUL-VINYLS-BLOG: THE 188th MIX FOR F.S.V.B: Here's the 188th Mix Selection for F.S.V.B, it Called "New Jack City Volume 1"  its been Mixed by Sparkle Motio...

Zambukaki: O berço da humanidade o Vale do Rift

Zambukaki: O berço da humanidade o Vale do Rift: Há consenso geral entre os arqueólogos que a vida humana tem suas origens no Vale do Rift no Leste Africano. Cerca de 2,5 a 2 milhão anos...

maio 04, 2013

Zambukaki: Sawabona–Shikoba a mudança do erro

Zambukaki: Sawabona–Shikoba a mudança do erro: Você consegue modificar o comportamento de quem erra? Histórias são muitas, e as diversas maneiras de contar, essa é apenas mais uma... Há ...

Zambukaki: A batalha de Adwa vitória etíope sobre os italiano...

Zambukaki: A batalha de Adwa vitória etíope sobre os italiano...: A batalha de Adwa , pintura de um artista etíope desconhecido. A representação do orgulho etíope contra o colonialismo europeu. Esta pi...

Zambukaki: Miss Israel “rainha de Sabá” recebe Obama

Zambukaki: Miss Israel “rainha de Sabá” recebe Obama: Titi é o nome dela, abreviação de Aynaw Yityish. Ela foi a única finalista negra no concurso de beleza deste ano, e se tornou a primeira rai...

James Brown Completaria 80 Anos Nesta Sexta, 3/maio/2013.




Se estivesse vivo, James Brown completaria 80 anos nesta sexta, 3. Brown não só revolucionou a música dançante e “inventou” o funk, como também foi um dos maiores e mais polêmicos nomes do showbusiness norte-americano.


James Joseph Brown, nascido no dia 3 de maio 1933 em Barnwell, Carolina do Sul, começou a vida na total pobreza. Quando o futuro astro tinha cerca de 4 anos, a família dele se mudou para Augusta, Geórgia, local que ele sempre considerou sua cidade do coração e onde morou até morrer. Quando adolescente, Brown tentou ser boxeador, mas foi parar no reformatório depois de se envolver em um roubo a mão armada. Lá, se disciplinou e se envolveu com a música gospel. Quando saiu do cárcere, fundou o grupo The Famous Flames ao lado do amigo Bobby Byrd, fundamental na criação da identidade do cantor.

Na metade dos anos 50, a cena de R&B se tornava cada vez mais forte, lançando a base para o emergente Rock and Roll. A suplicante “Please Please Please”, creditada a James Brown e o The Famous Flames, foi sensação em 1956 quando saiu em compacto simples pela Federal, subsidiária da King Records. Mas depois desse hit Brown voltou a estava zero. Seus singles seguintes eram competentes, mas não passavam de imitações genéricas de sucessos de Little Richard e Ray Charles. Mas em 1958, com o estouro da balada “Try Me”, a carreira dele se reergueu. A partir daí, Brown teve hit atrás de hit, entre eles "I'll Go Crazy", "Think", “Lost Someone” e “Night Train”.


Em 1962, o disco Live at The Apollo foi um verdadeiro fenômeno, chegando ao segundo lugar da parada Pop. Era um disco ao vivo gravado no lendário Apollo Theater, em Nova York, onde Brown apresentava vários medleys das canções que tinha gravado até então. No final de 1964, a eletrizante aparição dele no TAMI Show roubou a cena, mesmo tendo como concorrentes outras lendas como Marvin Gaye, Beach Boys, Rolling Stones, Supremes e outros. O concerto, que foi filmado e exibido nos cinemas, abriu as portas do universo de James Brown para muita gente. É o registro definitivo desta fase do cantor: ele canta de forma intensa e dança freneticamente.

Funk e política
No ano seguinte, Brown lançaria os hits gigantescos "I Got You (I Feel Good)" e “Papa’s Got a Brand New Bag”, conquistando de vez o público branco. A música de Brown foi se tornando minimalista, buscando cada vez mais as raízes africanas, com o ritmo prevalecendo sobre a melodia. Sucessos como "Cold Sweat", "I Got the Feelin'" e "Mother Popcorn" já não eram chamados de soul, mas sim de Funk. Mas Brown não se contentava apenas em mudar o rumo da música popular. Ele começava abertamente se envolver com política. Suas palavras e atitudes influenciavam a população negra, justamente em um momento extremante tenso da questão racial nos Estados Unidos. No dia 5 de abril de 1968, um dia depois do assassinato do reverendo Martin Luther King Jr., ele fez um show em Boston que ajudou a acalmar os ânimos da população da cidade, que explodia em meio à violência e a saques.


Mas o cantor confundia a opinião pública. Ele lançou a explosiva "Say It Loud - I'm Black and I'm Proud", que muitos encaravam como um hino não oficial dos Panteras Negras. Só que Brown não pregava a revolução – era, sim, um republicano ferrenho. Apoiava o presidente Lyndon B. Johnson e foi cantar para as tropas dos Estados Unidos que estava no Vietnã. Brown advogava que o governo deveria ajudar as comunidades negras, mas também era um grande defensor da livre iniciativa.

Pouco tempo depois, em 1970, Brown juntou a J.B.’s, considerada sua melhor banda, tendo no baixo Bootsy Collins, que logo se tornou um dos nomes mais importantes da funk music. Com o J.B.’s, Brown lançou o mega-hit "Get Up (I Feel Like Being a) Sex Machine".


O Declínio do Chefão
A essa altura, Brown, que era chamado de Godfather of Soul (padrinho do soul), excursionava pelo mundo todo e quando ia a África, era tratado como um verdadeiro rei. Ele também se tornou um poderoso homem de negócios, dono de uma cadeia de restaurantes e de várias emissoras de rádio, sempre procurando dar emprego a população negra desprivilegiada. Na primeira metade da década também fez trilhas para filmes de blaxpoitation como Black Caesar e Slaughter's Big Rip-Off. Mas na segunda metade da década de 70, o horizonte de Brown ficou escuro. Maus negócios fizeram seu patrimônio encolher substancialmente e ele também teve problemas com impostos. Brown, que era um feroz disciplinador, frequentemente perdia os músicos de suas bandas, que não concordavam com seu rígido esquema de multas e a forma arrogante com que eram tratados pelo cantor. O pior é que, com a chegada da disco music, a música de Brown perdeu um enorme espaço nas paradas de sucesso e nas casas noturnas. Em 1979, ele lançou o disco The Original Disco Man, feito para provar que ele tinha lançado as bases para a o estilo. Mas o álbum não fez sucesso, confirmando o mau momento dele. Em 1981, Brown dispensado pela gravadora Polydor.

Ressurgimento e problemas
Os anos 80 foram erráticos e complicados para James Brown. O bom é que novas gerações tomavam conhecimento da arte dele. Ele apareceu em filmes como Os Irmãos Cara de Pau e Rocky IV – neste último, Brown apresentou “Living in America”, seu último grande sucesso. Ele começou a ser constantemente sampleado. In 1984, se juntou a Afrika Bambaattaa na canção "Unity", provando que se não fosse por ele, o Rap e o Hip Hop teriam que surgir de outra forma. Mas a vida pessoal do cantor degringolou. Ele, que sempre foi contra qualquer tipo de droga, se tornou viciado quando chegou à meia-idade. Em 1988, foi preso e sentenciado a seis anos depois de fugir da polícia quando foi pego com drogas e armas. No final, cumpriu cerca de metade da sentença. Até o fim da vida Brown esteve envolvido em casos de violência doméstica. O artista se casou oficialmente três vezes e teve nove filhos, alguns fora do casamento.



O mito e a morte
Nos últimos anos de vida, James Brown, em meio a uma confusão ou outra, aproveitou o status de lenda viva. Os antigos álbuns eram agora lançados em CD – a premiada a caixa retrospectiva Star Time, lançada em 1991, foi considerada um marco. Ele gravava apenas ocasionalmente e ganhava todo tipo de homenagem da indústria e da Geórgia, seu estado natal. Mas não parava: fazia questão de estar sempre na estrada com sua nova banda, The Soul Generals.


James Brown esteve várias vezes no Brasil, tendo sido a última em agosto de 1999. Em 2006, ele ainda seguia se apresentando ao vivo e não tinha intenção de parar. Mas no segundo semestre daquele ano começou a ter problemas de saúde. No dia 23 de dezembro, depois de uma visita ao dentista em Atlanta, Brown passou mal. Foi internado e morreu dois dias depois, aos 73 anos. A causa foi um ataque cardíaco, consequência de uma pneumonia. O velório durou dias – um verdadeiro carnaval, com o caixão de Brown rodando os Estados Unidos. Foram realizadas cerimônias fúnebres no Apollo Theater, em Nova York, e em Augusta. Finalmente o corpo do cantor foi enterrado no dia 10 de março de 2007 em uma cripta na casa de Deanna Brown Thomas, uma das várias filhas do cantor. Mas a família ainda pretende construir um suntuoso mausoléu para colocar os restos mortais de Brown.


Há 15 anos, Jogador Inglês Gay se Suicidava Após Perder Batalha Contra o Preconceito



O mundo do esporte se surpreendeu nesta semana com a notícia de que o pivô da NBA Jason Collins assumir publicamente que é Gay. Collins foi apoiado pelo mundo do esporte em geral e até pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pela sua coragem de se declarar. No entanto, há exatos 15 anos, um atleta que disse ser homossexual perdia definitivamente a batalha contra o preconceito.

No dia 3 de maio de 1998, o jogador de futebol inglês Justin Fashanu, que atuou em clubes como Nottingham Forest, Manchester City, West Ham e Newcastle, foi encontrado morto após ter se enforcado dentro de uma garagem em Londres. Ele tinha 37 anos. “Eu cheguei à conclusão que sou considerado culpado. Não quero causar mais constrangimento para meus amigos e família”, disse o atleta, em sua carta de suicídio. O motivo de “causar constrangimento” a seus queridos era o fato de 7 anos antes Fashanu ter se assumido gay

Ao longo de sua carreira, Justin Fashanu sofreu com insultos homofóbicos de técnicos, piadas cruéis de seus companheiros e time e cânticos de insultos de torcidas. Até seu próprio irmão, John, falou publicamente mal sobre ele pela revelação de ser homossexual. E as autoridades nada fizeram para apoiar Fahsanu

“Me dá calafrios pensar sobre a decisão de Jason Collins e a forma positiva como foi aceitada. Justin não teve isso. Nada do aconchego, nada de reconhecimento sobre a coragem por ter feito o que fez. Ao invés disso, as pessoas pegavam no pé dele por isso, faziam o sentir inferior, errado”, disse Amal Fashanu, sobrinha de Justin, ao site Yahoo! Sports. Ela tinha apenas oito anos quando seu tio morreu e produziu um documentário sobre a vida dele para a rede de televisão BBC.


Fashanu já havia quebrado barreiras no início da década de 90, quando ele se tornou o primeiro jogador de futebol britânico a valer mais de 1 milhão de libras em uma transferência, quando se mudou do Norwich City para o Nottingham Forest em 1981.

No ano anterior, o Nottingham Forest havia ganhado a Champions League. Um dos heróis desse título, Brian Clough chegou a abordar Fashanu, que frequentava boates e clubes gays, e perguntar o motivo dele frequentar “essas m... de lugares”.

Em meados da década de 90, Justin Fashanu chegou a ser acusado de assédio sexual no estado de Maryland, nos Estados Unidos – onde atos homossexuais eram ilegais à época -. Pouco tempo depois, ele voltou para a Inglaterra e cometeu suicídio após voltar de uma sauna gay.